medicine

Spiriva

Laboratório: Boehringer Ingelheim

Princípio ativo: Brometo de Tiotrópio

Bula

Spiriva
1
BPI 0251-05 20081008
C09-01
IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO
Spiriva
®
Abcd
brometo de tiotrópio
FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES
Cápsula contendo pó para inalação:
embalagem com 30 cápsulas e
embalagens com 10 e 30 cápsulas acompanhadas de HandiHaler
®
.
Para inalação por via oral.
USO ADULTO
Composição
Cada cápsula para inalação contém 21,7 mcg de brometo de tiotrópio,
correspondentes a 22,5 mcg de brometo de tiotrópio monoidratado e a 18 mcg
de tiotrópio.
Excipiente: lactose monoidratada.
INFORMAÇÕES AO PACIENTE
AÇÃO DO MEDICAMENTO ou COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?
SPIRIVA é um medicamento que age na manutenção dos pacientes com DPOC
combatendo o estreitamento dos brônquios e a dificuldade para respirar (falta de
ar). O início da ação de SPIRIVA se dá dentro de 30 minutos após a primeira
dose e se mantém por 24 horas.
INDICAÇÕES DO MEDICAMENTO ou POR QUE ESTE MEDICAMENTO FOI
INDICADO?
SPIRIVA é indicado para o tratamento de manutenção de pacientes com
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC - incluindo bronquite crônica e
enfisema), associada à falta de ar, e para a prevenção dos episódios de piora da
doença (exacerbações).
RISCOS DO MEDICAMENTO ou QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE
MEDICAMENTO?
Spiriva
2
BPI 0251-05 20081008
C09-01
Contra-indicações
SPIRIVA pó para inalação é contra-indicado para pacientes com história de
alergia à atropina ou a seus derivados, p.ex. ipratrópio ou oxitrópio, ou a
qualquer componente que faça parte da sua fórmula.
Este medicamento é contra-indicado em crianças,
pois a segurança e
eficácia de
SPIRIVA, pó para inalação, não foi estabelecida em pacientes
pediátricos.
Advertências
Informe ao médico ou cirurgião-dentista o aparecimento de reações
indesejáveis.
Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser
perigoso para a sua saúde.
Precauções
SPIRIVA é um broncodilatador para tratamento crônico de dose única diária e
não para os casos agudos de estreitamento dos brônquios.
Após a administração de SPIRIVA em pó para inalação podem ocorrer reações
de alergia imediata.
Da mesma forma que com outros medicamentos semelhantes,
SPIRIVA deve
ser utilizado com cuidado em pacientes com glaucoma de ângulo fechado,
hiperplasia da próstata ou obstrução do colo da bexiga.
Medicamentos inalatórios podem provocar o aparecimento de estreitamento dos
brônquios induzido por inalação.
Assim como outros medicamentos excretados predominantemente por via renal,
a administração de SPIRIVA deve ser acompanhada cuidadosamente em
pacientes com comprometimento moderado a grave da função renal.
Informe seu médico se tem algum problema nos rins.
Deve-se evitar o contato do medicamento com os olhos. Dor ou desconforto nos
olhos, visão embaçada, visão de halos ou imagens coloridas em associação
com olhos avermelhados podem ser sinais de glaucoma de ângulo fechado.
Spiriva
3
BPI 0251-05 20081008
C09-01
Com o aparecimento de qualquer desses sintomas, deve-se procurar um
especialista imediatamente.
Colírios para contrair a pupila não são considerados um tratamento eficaz.
SPIRIVA não deve ser utilizado mais do que uma vez ao dia.
As cápsulas de SPIRIVA devem ser usadas somente com o HANDIHALER que
acompanha o produto.
Este produto contém 5,5 mg de lactose monoidratada por cápsula.
Efeitos na habilidade de dirigir e operar máquinas
Não foram realizados estudos relativos a efeitos sobre a habilidade de dirigir e
operar máquinas. A ocorrência de tontura ou visão embaçada pode influenciar
na habilidade de dirigir e operar máquinas.
Gravidez e lactação
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem
orientação médica ou do cirurgião-dentista.
SPIRIVA não deve ser utilizado por mulheres que estejam amamentando sem
orientação médica ou do cirurgião-dentista.
Interações Medicamentosas
Embora não se tenham realizado estudos para avaliar eventuais interações
medicamentosas, o brometo de tiotrópio tem sido utilizado concomitantemente
com outros medicamentos, comumente utilizados no tratamento de DPOC,
incluindo broncodilatadores simpaticomiméticos como salbutamol, metilxantinas
como aminofilina e teofilina, esteróides orais como prednisona e inalatórios
como beclometasona, budesonida e fluticasona, sem evidência clínica de
interações medicamentosas.
A administração aguda de uma única dose de brometo de ipratrópio com
SPIRIVA administrado cronicamente em pacientes com DPOC e voluntários
sadios não foi associada a aumento dos eventos adversos, alterações nos sinais
vitais ou achados eletrocardiográficos. Entretanto, a administraç ão crônica de
Spiriva
4
BPI 0251-05 20081008
C09-01
outros fármacos anticolinérgicos com SPIRIVA não foi estudada e, portanto, não
é recomendada.
Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de
algum outro medicamento.
MODO DE USO ou COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
Aspecto físico
A cápsula de SPIRIVA é verde clara opaca e contém pó branco em seu interior.
As cápsulas de SPIRIVA contêm somente uma pequena quantidade de pó, e
desse modo, as cápsulas são apenas parcialmente preenchidas.
Características organolépticas
Não possui nenhum odor estranho.
Dosagem
A dosagem recomendada é a inalação do conteúdo de uma cápsula de SPIRIVA
uma vez ao dia, com o auxílio do HANDIHALER, sempre no mesmo horário.
As cápsulas de SPIRIVA não devem ser engolidas.
Pacientes idosos podem utilizar SPIRIVA nas doses recomendadas.
Pacientes com função renal comprometida podem utilizar SPIRIVA nas doses
recomendadas. Entretanto, assim como com outros medicamentos excretados
predominantemente por via renal, o uso de SPIRIVA deve ser acompanhado
cuidadosamente em pacientes com comprometimento moderado a grave da
função renal.
Pacientes com função hepática comprometida podem utilizar SPIRIVA nas
doses recomendadas.
A segurança e eficácia de tiotrópio, pó para inalação, não foi estabelecida em
pacientes pediátricos e, portanto, SPIRIVA não deve ser utilizado em crianças.
O que fazer em caso de esquecimento de dose
É importante tomar SPIRIVA conforme a prescrição médica.
Spiriva
5
BPI 0251-05 20081008
C09-01
Se você esquecer de tomar uma dose, deve tomá-la assim que se lembrar, no
entanto não tome duas doses ao mesmo tempo ou no mesmo dia. Depois
prossiga com seu tratamento, tomando SPIRIVA no próximo dia na dose e
horário habituais.
Como usar
Lembre-se de seguir cuidadosamente as instruções de seu
médico.
O HANDIHALER possibilita a inalação do medicamento
contido na cápsula de SPIRIVA.
O HANDIHALER foi desenvolvido especialmente para
SPIRIVA, não devendo ser usado com nenhum outro
medicamento.
O HANDIHALER pode ser usado por até um ano para
administração de SPIRIVA.
As cápsulas de SPIRIVA devem ser usadas dentro de 9 dias
após a abertura do blíster (cartela das cápsulas).
Tampa
Bocal
Base
Botão que perfura a cápsula
Compartimento central
1.
Para remover a tampa, pressione completamente o botão
( ) e solte.
2.
Abra completamente a tampa puxando-a para cima. Em
seguida, abra o bocal puxando-o para cima.
Spiriva
6
BPI 0251-05 20081008
C09-01
3.
Remova uma cápsula de SPIRIVA do blíster
imediatamente antes do uso. Separe as tiras do blíster,
rasgando-o na parte picotada.
4.
Levante e puxe a folha de alumínio do blíster até que uma
cápsula fique completamente visível.
Caso uma segunda cápsula seja exposta ao ar por acidente,
a mesma deverá ser descartada.
5.
Remova a cápsula.
Observação: as cápsulas de SPIRIVA não devem ser
expostas (nem no blíster e nem no HANDIHALER) a
temperaturas superiores a 25°C, isto é, elas não devem ser
expostas à luz do sol e ao calor.
6. Coloque a cápsula no compartimento central ( ) do
HANDIHALER. A posição da cápsula no compartimento não
tem importância.
7. Feche firmemente o bocal até ouvir um “clic”. Mantenha a
tampa aberta.
8. Segure o HANDIHALER com o bocal para cima. Pressione
completamente o botão ( ), liberando-o em seguida. Este
perfura a cápsula efetuando pequenos orifícios na mesma os
quais permitem a passagem do medicamento no momento
da inspiração.
Spiriva
7
BPI 0251-05 20081008
C09-01
9. Faça uma expiração completa.
Importante: Não expire dentro do bocal em nenhum
momento.
10. Leve o HANDIHALER até a boca e feche os lábios
firmemente ao redor do bocal. Mantenha a cabeça na
posição vertical e inspire lenta e profundamente, mas de
maneira que se possa ouvir a vibração da cápsula. Inspire
até encher os pulmões; prenda a respiração o quanto
possível, mas de forma confortável e ao mesmo tempo retire
o HANDIHALER da boca. Reassuma a respiração normal.
Repita os itens 9 e 10, o que irá esvaziar a cápsula
completamente.
11. Abra o bocal novamente. Descarte a cápsula utilizada.
Feche o bocal e a tampa e guarde o HANDIHALER.
Limpeza do HANDIHALER
Limpe o HANDIHALER uma vez por mês.
Abra a tampa e o bocal. Abra também a base levantando o
botão que perfura a cápsula ( ). Enxágüe todo o inalador
com água morna para remover qualquer resíduo de pó.
Seque completamente o HANDIHALER, batendo-o de leve
em um papel toalha para remover o excesso de água e
depois deixe-o secar ao ar, deixando abertos a tampa, o
bocal e a base. O tempo para que o ar seque completamente
o HANDIHALER é de 24 horas, portanto, proceda à limpeza
imediatamente após o uso para que este esteja pronto na
administração da próxima dose.
Se necessário, pode-se efetuar a limpeza externa com um
pano úmido, evitando-se panos molhados.
Spiriva
8
BPI 0251-05 20081008
C09-01
Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as
doses e a duração do tratamento.
Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
Não use o medicamento com o prazo de validade vencido. Antes de usar
observe o aspecto do medicamento.
REAÇÕES ADVERSAS ou QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO
PODE CAUSAR?
Reações adversas comuns
(
= 1/100 e < 1/10)
Distúrbios gastrintestinais:
boca seca, em geral leve.
Reações adversas incomuns
(
= 1/1000 e < 1/100)
Distúrbios do sistema nervoso:
vertigem.
Distúrbios respiratórios, torácicos e mediastinais:
alteração da voz,
estreitamento dos brônquios, tosse, e faringite.
Distúrbios gastrintestinais:
estomatite.
Reações adversas raras
(
= 1/10000 e <1/1000)
Distúrbios do sistema nervoso:
insônia.
Distúrbios oculares:
visão embaçada, pressão intraocular aumentada.
Distúrbios cardíacos
: batimentos cardíacos acelerados, palpitações
Distúrbios respiratórios, torácicos e mediastinais:
sangramento nasal, laringite,
sinusite.
Distúrbios gastrintestinais:
prisão de ventre, doença de refluxo gastroesofágico
(Dispepsia), gengivite, glossite (inflamação na língua), candidíase orofaríngea
(popularmente conhecida como “sapinho”).
Alterações do tecido subcutâneo e da pele e distúrbios do sistema imune:
erupção da pele, urticária, coceira e alergias.
Distúrbios renais e urinários:
dificuldade de urinar e retenção urinária
(normalmente em homens com fatores predisponentes), infecção do trato
urinário.
Spiriva
9
BPI 0251-05 20081008
C09-01
Freqüência desconhecida
Distúrbios do metabolismo e nutrição:
desidratação.
Distúrbios oculares:
glaucoma.
Distúrbios cardíacos
: taquicardia supraventricular, fibrilação atrial (arritmias
cardíacas que, em geral, causam palpitações intensas).
Distúrbios gastrintestinais:
obstrução intestinal, incluindo paralisia do intestino,
dificuldade para engolir.
Alterações do tecido subcutâneo e da pele e distúrbios do sistema imune:
inchaço da língua, lábios e face, infecção e úlcera de pele, pele seca.
Distúrbios do tecido muscoesquelético e conectivo
: inchaço nas articulações.
CONDUTA EM CASO DE SUPERDOSE ou O QUE FAZER SE ALGUÉM
USAR UMA GRANDE QUANTIDADE DESTE MEDICAMENTO DE UMA SÓ
VEZ?
Altas doses de
SPIRIVA podem levar a sinais e sintomas anticolinérgicos como
batimentos cardíacos acelerados, distúrbios da movimentação do estômago e
intestino e retenção da urina.
Entretanto, não ocorreram reações adversas anticolinérgicas sistêmicas após
inalação de dose única de até 282 mcg de tiotrópio por voluntários sadios.
Observou-se conjuntivite bilateral em associação com boca seca, após repetidas
inalações de doses únicas diárias de 141 mcg de tiotrópio, em voluntários
sadios, que foram resolvidas durante o tratamento. A única reação adversa
atribuída ao tiotrópio, em estudos com múltiplas doses em pacientes c om
DPOC, recebendo uma dose diária máxima de 36 mcg de tiotrópio durante
quatro semanas, foi boca seca.
A ocorrência de intoxicação aguda, devido à ingestão oral de cápsulas de
tiotrópio é improvável, pois o pr oduto é pouco absorvido após administração
oral.
Na eventualidade da ingestão de doses muito acima das aconselhadas,
recomenda-se consultar o médico.
Spiriva
10
BPI 0251-05 20081008
C09-01
CUIDADOS DE CONSERVAÇÃO E USO ou ONDE E COMO DEVO
GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?
Conserve o produto em temperatura inferior a 25°C, ao abrigo da luz do sol e da
umidade. Evite o congelamento.
As cápsulas devem ser usadas dentro de 9 dias após a abertura do blíster.
Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.
INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE
CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS
SPIRIVA tem como princípio ativo o brometo de tiotrópio, que é um agente
antimuscarínico específico de longa duração, comumente denominado na
prática médica de anticolinérgico. O tiotrópio apresenta afinidade similar aos
receptores muscarínicos dos subtipos M
1
ao M
5
. A inibição de receptores M
3
do
músculo liso provoca relaxamento nas vias aéreas. A natureza competitiva e
reversível do antagonismo foi demonstrada por meio de receptores de origem
humana e animal e em preparações de órgãos isolados. Nos estudos pré-
clínicos
in vitro
e
in vivo
, os efeitos broncoprotetores foram dose-dependentes e
perduraram por mais de 24 horas. A longa duração do efeito é provavelmente
devida à dissociação muito lenta dos receptores M
3
, exibindo uma meia-vida de
dissociação significativamente maior que a observada com o ipratrópio. Por ser
um anticolinérgico amônio quaternário, o tiotrópio é topicamente (bronco-)
seletivo quando administrado por inalação, demonstrando uma margem
terapêutica aceitável antes de causar efeitos anticolinérgicos sistêmicos. A
dissociação dos receptores M
2
é mais rápida que a dos receptores M
3
; em
estudos funcionais
in vitro
, esta particularidade apresentou-se como uma
seletividade (controlada cineticamente) ao subtipo de receptor M
3
em relação ao
M
2
. A alta potência e lenta dissociação do receptor promovem broncodilatação
significante e de longa duração nos pacientes com DPOC.
A broncodilatação observada após a inalação de tiotrópio é fundamentalmente
um efeito local (nas vias aéreas) e não um efeito sistêmico.
O programa de desenvolvimento clínico abrangeu quatro estudos de um ano e
dois estudos de seis meses de duração, randomizados, duplo cegos com 2663
Spiriva
11
BPI 0251-05 20081008
C09-01
pacientes com Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC (1308 recebendo
SPIRIVA). O programa de um ano compreendeu dois estudos controlados por
placebo e dois controlados por
ipratrópio. Os dois estudos de seis meses foram
controlados por salmeterol e por placebo. Estes estudos incluíram avaliação da
função pulmonar, da dispnéia, das exacerbações da DPOC e da qualidade de
vida relacionada à saúde avaliadas pelos próprios pacientes.
Nos estudos supracitados, SPIRIVA administrado uma vez ao dia proporciona
melhora significativa da função pulmonar (volume expiratório forçado no 1º
segundo - VEF
1
e capacidade vital forçada - CVF) dentro de 30 minutos após a
primeira dose e que se mantém por 24 horas. O estado de equilíbrio
farmacodinâmico foi alcançado no prazo de uma semana e a broncodilatação
máxima foi observada no terceiro dia. SPIRIVA melhorou significativamente o
PFE (Pic o de Fluxo Expiratório) matutino e vespertino conforme avaliado pelos
registros diários dos pacientes.
A melhora na função pulmonar com SPIRIVA foi demonstrada durante todo o
período de administração nos seis estudos de longo prazo (figuras 1 – 3). Esta
melhora foi mantida sem evidência de taquifilaxia.
Figura 1: VEF
1
médio ao longo do tempo (antes a após administração da droga estudada) nos dias 1 e 344 em 2
estudos placebo-controlados de 1 ano*
Estudo A [1]
Estudo B [2]
*As médias estão ajustadas para efeito basal e central
Figura 2: VEF
1
médio ao longo do tempo (antes a após administração da droga estudada) nos dias 1 e 364 em 2
estudos controlados por ipratrópio de 1 ano*
Estudo A [3]
Estudo B [4]
0. 9
1. 0
1. 1
1. 2
1. 3
T em po (ho ra s)
VEF
1
( L )
- 1
0
0 .5
1
2 3
Di a 1
Di a 34 4
Pl ac eb o (
n
=17 4)
SPI RI VA
( n =
26 8)
0. 9
1. 0
1. 1
1. 2
1. 3
Pla ceb o (
n
= 154 )
SPIR IV A (
n
= 250 )
Di a 1
Di a 344
T em po (ho ra s)
- 1 0 0. 5 1
2
3
VEF
1
( L )
Spiriva
12
BPI 0251-05 20081008
C09-01
* As médias estão ajustadas para efeito basal e central
Figura 3: VEF
1
médio ao longo do tempo (antes a após administração da droga estudada) nos dias 1 e 169 em 2
estudos de 6 meses controlados por placebo e salmeterol*
Estudo A [24]
Estudo B [8]
* As médias estão ajustadas para efeito basal e central
Um estudo randomizado, controlado por placebo em 105 pacientes com DPOC,
demonstrou que a broncodilatação foi mantida durante o intervalo de 24 horas
entre as doses, comparado com placebo, independentemente de SPIRIVA ter
sido administrado pela manhã ou à noite.
Observaram-se os seguintes efeitos relacionados à saúde nos estudos de
DPOC com uma duração de até um ano:
SPIRIVA melhorou significativamente a dispnéia (avaliada pelo Índice de
Dispnéia Transicional de Mahler); esta melhora foi mantida durante o período de
tratamento.
SPIRIVA reduziu significativamente o número de exacerbações de DPOC e
retardou o tempo até a primeira exacerbação em comparação com o placebo.
Demonstrou-se que SPIRIVA melhorou s ignificativamente a qualidade de vida
relacionada à saúde, por meio do Questionário Respiratório St. George. Esta
melhora foi mantida durante o período de tratamento.
1 . 1
1 . 2
1 . 3
1 . 4
1 . 5
VEF
1
( L )
i p rat r óp i o (
n
=89 )
SPI RI VA (
n
= 17 6)
Di a 1
Di a 364
T emp o (h o ras )
- 1
0
0. 5
1
2 3
1 .1
1 .2
1 .3
1 .4
1 .5
VEF
1
( L )
i pr at ró p io (
n
= 72)
SPI RI VA (
n
= 153 )
Di a 1
Di a 364
T em po (ho ra s)
- 1 0 0. 5 1
2
3
0. 95
1. 00
1. 05
1. 10
1. 15
1. 20
1. 25
1. 30
1. 35
-1
0
1
2
3
4
5
6
7
8 9 10 11 1 2
Te mp o (h or as)
VEF
1
( L )
Di a 1
Di a 16 9
Pla ceb o (n =1 79 )
sal me tero l (n =20 3)
SPIR IVA (n =2 02)
0. 95
1. 00
1. 05
1. 10
1. 15
1. 20
1. 25
1. 30
1. 35
- 1 0 1
2
3
Te mp o (h or as)
VEF
1
( L)
Di a 1
Di a 169
Pla ceb o (n =1 83)
sal me tero l (n =1 85)
SPIR IVA (n =1 84)
Spiriva
13
BPI 0251-05 20081008
C09-01
Além disso, nos estudos de um ano de duração controlados por placebo,
SPIRIVA r eduziu significativamente o número de hospitalizações associadas às
exacerbações de DPOC e retardou o tempo até a primeira hospitalização.
O impacto da melhora na dispnéia em atividades funcionais foi investigado em
dois estudos randomizados, duplo cegos controlados por placebo, em pacientes
com DPOC. Nesses estudos SPIRIVA melhorou significantemente a tolerância
ao exercício limitada por sintomas em 19,7% e 28,3% comparado com o
placebo.
Em um estudo desenhado para avaliar o intervalo QT envolvendo 53 voluntários
sadios, SPIRIVA 18 mcg e 54 mcg (isto é, três vezes a dose terapêutica)
administrado por 12 dias não prolongou os intervalos QT do ECG.
Farmacocinética
O tiotrópio é um composto de amônio quaternário, pouco solúvel em água,
administrado pela inalação do pó seco. Muitos dos dados farmacocinéticos
descritos a seguir foram obtidos com doses superiores às recomendadas na
terapia.
Absorção:
Após inalação do pó seco por voluntários sadios jovens, a
biodisponibilidade absoluta de 19,5% sugere que a parcela que atinge os
pulmões é altamente biodisponível. Devido à estrutura química da molécula
(composto de amônio quaternário) espera-se que o tiotrópio seja pouco
absorvido pelo trato gastrintestinal. Da mesma forma, não é de se esperar que
ocorra influência do alimento na absorção do tiotrópio. As soluções orais de
tiotrópio têm biodisponibilidade absoluta de 2-3%. As concentrações plasmáticas
máximas de tiotrópio foram alcançadas 5 minutos após a inalação.
Distribuição:
Uma parcela de 72% do tiotrópio liga-se às proteínas plasmáticas
e o volume de distribuição é de 32 l/kg. A concentração plasmática máxima de
tiotrópio no estado de equilíbrio, nos pacientes com DPOC, foi de 17 – 19 pg/ml
quando determinada 5 minutos após a inalação de 18 mcg do pó seco e
diminuiu rapidamente de maneira multi-compartimental. A concentração
plasmática mínima, no estado de equilíbrio, foi de 3 – 4 pg/ml. Não se conhecem
concentrações pulmonares locais, entretanto, o modo de administração sugere
concentrações substancialmente superiores no pulmão. Estudos em ratos
Spiriva
14
BPI 0251-05 20081008
C09-01
demonstraram que o tiotrópio não atravessa a barreira hemato-encefálica em
qualquer nível relevante.
Metabolização:
O grau de metabolização do fármaco é pequeno. Este fato é
evidenciado pela excreção urinária de 74% da substância não modificada após
administração de dose intravenosa em voluntários sadios jovens. O tiotrópio é
um éster clivado de m aneira não-enzimática ao álcool N-metilescopina e ácido
ditienilglicólico e nenhum destes se liga aos receptores muscarínicos.
Estudos
in vitro
com microssomos hepáticos e hepatócitos humanos sugerem
que uma parcela do fármaco (<20% da dose administrada por via intravenosa) é
metabolizada pela oxidação dependente de citocromo P450 e subseqüente
conjugação glutatiônica para uma variedade de metabólitos de fase II. Esta via
enzimática pode ser inibida pelos inibidores do CYP450 2D6 (e 3A4), quinidina,
cetoconazol e gestodeno. Dessa forma, o CYP450 2D6 e 3A4 estão envolvidos
na via metabólica responsável pela eliminação de pequena parte da dose. O
tiotrópio, mesmo em concentrações superiores às consideradas
terapeuticamente ativas, não inibe o citocromo P450 1A1, 1A2, 2B6, 2C9, 2C19,
2D6, 2E1 ou 3A nos microssomos hepáticos humanos.
Eliminação:
A meia-vida de eliminação terminal do tiotrópio é de 5 a 6 dias
após a inalação. A depuração total é de 880 ml/min após dose intravenosa em
voluntários sadios jovens, com uma variação de 22% entre os indivíduos. O
tiotrópio administrado por via intravenosa é excretado principalmente na forma
não metabolizada pela urina (74%). A excreção urinária é de 14% da dose após
inalação do pó seco, sendo que o restante permanece principalmente como
droga não absorvida no intestino que é eliminada pelas fezes. A depuração renal
do tiotrópio excede a depuração da creatinina, indicando sec reção na urina.
Após inalação crônica de dose única diár ia em pacientes com DPOC, o estado
de equilíbrio farmacocinético foi alcançado após 2 - 3 semanas sem ocorrência
posterior de acumulação.
Linearidade/não-linearidade: O tiotrópio demonstra farmacocinética linear na
faixa terapêutica após administração intravenosa e inalação do pó seco.
Pacientes idosos:
Assim como esperado para todos os fármacos excretados
predominantemente por via renal, a idade avançada foi associada com uma
diminuição da depuração renal de tiotrópio (326 ml/min em pacientes com
DPOC e idade inferior a 58 anos a 163 ml/min em pacientes com DPOC e idade
Spiriva
15
BPI 0251-05 20081008
C09-01
superior a 70 anos), que pode ser explicado pela diminuição da função renal. A
excreção de tiotrópio na urina após inalação diminuiu de 14% (voluntários sadios
jovens) até cerca de 7% (pacientes com DPOC), sendo que a concentração
plasmática não mudou significativamente com o avanço da idade entre os
pacientes com DPOC se comparada com a variabilidade inter e intra individual
(aumento de 43% na AUC
0-4h
após inalação do pó seco).
Pacientes com função renal comprometida:
Assim como ocorre com todos os
outros fármacos excretados predominantemente por via renal, o
comprometimento da função renal foi associado com o aumento das
concentrações plasmáticas e diminuição da depuração renal do fármaco após
infusão intravenosa e inalação do pó seco. O comprometimento leve da função
renal (CL
CR
50-80 ml/min) freqüentemente observado em pacientes idosos
aumentou levemente as concentrações plasmáticas de tiotrópio (aumento de
39% na AUC
0-4h
após infusão intravenosa). A administração intravenosa de
tiotrópio em pacientes com DPOC com comprometimento moderado a grave da
função renal (CL
CR
<50 ml/min) resultou em duplicação das concentrações
plasmáticas (aumento de 82% na AUC
0-4h
), o que foi confirmado pelas
concentrações plasmáticas após inalação de pó seco.
Pacientes com função hepática comprometida:
Supõe-se que a insuficiência
hepática não tenha influência relevante na farmacocinética do tiotrópio. O
tiotrópio é predominantemente eliminado por via renal (74% em voluntários
sadios jovens) e por clivagem simples não enzimática do éster para produtos
que não se ligam aos receptores muscarínicos.
RESULTADOS DE EFICÁCIA
Casaburi e cols
(1)
avaliaram a eficácia e segurança a longo prazo do tiotrópio 18
mcg pó inalatório, em dose única diária, na DPOC, em dois estudos duplo-
cegos, randomizados, controlados por placebo, de um ano de duração,
idênticos. O desfecho espirométrico primário foi o VEF
1
pré-dose (isto é, o VEF
1
antes da administração). As alterações na dispnéia foram medidas com auxílio
do Índice de Dispnéia Transic ional (TDI), e o estado de saúde foi avaliado com
auxílio do Questionário Respiratório St. George (SGRQ) específico para a
doença e com o Short Form 36 (SF-36) genérico. O tiotrópio produziu uma
broncodilatação significativamente superior, em relação ao placebo, na resposta
do VEF
1
pré-dose (~ 12% em relação ao valor basal) (p<0,01) e na resposta
média durante o período de 3 horas após a administração (~ 22% em relação ao
Spiriva
16
BPI 0251-05 20081008
C09-01
valor basal) (p<0,001) durante o período de 12 meses. Os pacientes tratados
com tiotrópio apresentaram menos dispnéia (p<0,001), pontuações de estado de
saúde maiores e um número menor de exacerbações da DPOC e
hospitalizações (p<0,05).
Vincken e cols
(2)
avaliaram os resultados espirométricos, o pico de fluxo
expiratório (PFE), o uso de salbutamol de resgate e efeitos na dispnéia,
qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS) e exacerbações da DPOC em
dois estudos idênticos de um ano de duração, randomizados, duplo-cegos e
doublé-dummy, de tiotrópio na dose de 18 mcg uma vez ao dia (n=356) em
comparação com ipratrópio na dose de 40 mcg quatro vezes ao dia (n=179). O
VEF
1
pré-dose após 1 ano melhorou em 0,12±0,01 l com o tiotrópio e diminuiu
em 0,03±0,02 l com o ipratrópio (p<0,001). Foram observadas melhoras
significativas no PFE, no uso de salbutamol, na pontuação focal do TDI e na
pontuação de impacto e total do SGRQ com o tiotrópio (p<0,01). O tiotrópio
reduziu o número de exacerbações (em 24%, p<0,01) e aumentou o tempo até a
primeira exacerbação (p<0,01) e o tempo até a primeira hospitalização por
exacerbação da DPOC (p<0,05) em comparação com o ipratrópio. Neste
estudo, o tiotrópio demonstrou ser efetivo na melhora da dispnéia, das
exacerbações, da qualidade de vida relacionada à saúde e na função pulmonar
em pacientes com DPOC e excedeu os benefícios observados com o ipratrópio.
Os dados corroboram o uso do tiotrópio, uma vez ao dia, como tratamento de
manutenção de primeira linha em pacientes com DPOC.
Donohue e cols
(3)
avaliaram a eficácia e a segurança de tiotrópio e salmeterol
com medidas de desfecho múltiplas, incluindo função pulmonar, dispnéia e
qualidade de vida relacionada à saúde em pacientes com DPOC, em um estudo
duplo-cego, randomizado, doublé-dummy, controlado por placebo, de grupos
paralelos, de 6 meses de duração com parando tiotrópio, na dose de 18 mcg
uma vez ao dia, por meio de um inalador de pó seco, com o salmeterol,
administrado na dose de 50 mcg duas vezes ao dia, por meio de um aerossol
dosimetrado. A eficácia foi avaliada mediante a monitorização da espirometria
durante 12 horas, índice de dispnéia transicional (TDI) e Questionário
Respiratório St. George (SGRQ) de qualidade de vida relacionada à saúde
(QVRS) específico para doença respiratória.
Em comparação com o tratamento com placebo, o VEF
1
matinal médio antes da
administração do medicamento após 6 meses de tratamento aumentou
significativamente mais no grupo tratado com tiotrópio (0,14 l) do que no grupo
Spiriva
17
BPI 0251-05 20081008
C09-01
tratado com salmeterol (0,09 l; p<0,01). O VEF
1
médio (0 a 12 h) para o tiotrópio
foi estatisticamente superior ao do salmeterol (diferença, 0,08 l; p<0,001). O
tiotrópio melhorou a pontuação focal do TDI em 1,02 U, em comparação com o
placebo (p = 0,01), enquanto não houve nenhuma alteração significativa na
pontuação focal do TDI com o salmeterol (0,24 U). O tiotrópio foi superior ao
salmeterol no que se refere a melhora da pontuação focal do TDI (p<0,05). Em 6
meses, a melhora média na pontuação total do SGRQ versus o basal foi -5,14 U
para o tiotrópio (p<0,05 vs placebo); -3,54 U para o salmeterol (p = 0,4 vs
placebo); e -2,43 U para o placebo. Uma proporção significativamente maior de
pacientes tratados com tiotrópio obteve uma alteração de pelo menos 4 U na
pontuação do SGRQ, em comparação com os pacientes que receberam
placebo. Ambas as drogas ativas reduziram a necessidade de salbutamol de
resgate (p<0,0001). O estudo concluiu que o tiotrópio, administrado uma vez ao
dia, produziu broncodilatação superior, melhorias na dispnéia e na proporção de
pacientes que obtiveram alterações significativas na QVRS, em comparação
com o salmeterol, administrado duas vezes ao dia em pacientes com DPOC.
Brusasco e cols
(4)
, avaliaram as exacerbações e a utilização de serviços de
saúde em pacientes com DPOC, em dois estudos de 6 meses de duração,
randomizados, duplo-cegos controlados por placebo e doublé-dummy, de
tiotrópio na dose de 18 mcg uma vez ao dia via HANDIHALER em comparação
com salmeterol na dose de 50 mcg duas vezes ao dia por meio de aerossol
dosimetrado. 1207 pacientes participaram do estudo (tiotrópio 402, salmeterol
405 e placebo 400).
Comparado ao placebo, o tiotrópio (mas não o salmeterol) retardou
significativamente o tempo para o início da 1ª exacerbação. Menos
exacerbações de DPOC/paciente-ano ocorreram no grupo tiotrópio (1,07) que
no grupo placebo (1,49, p<0,05); o grupo salmeterol (1,23 eventos/ano) não
diferiu do placebo. O grupo tiotrópio teve 0,10 hospitalizações por paciente-ano
devido a exacerbações de DPOC em comparação a 0,17 para salmeterol e 0,15
para placebo (sem diferença estatística). Para todas as causas (respiratórias e
não-respiratórias) o tiotrópio (mas não o salmeterol), associou-se a menos
hospitalizações, enquanto que os dois grupos tiveram menos dias de
hospitalização que o grupo placebo. O número de dias durante os quais os
pacientes não foram capazes de realizar suas atividades diárias comuns foi
menor no grupo tiotrópio (tiotrópio 8,3 (0,8), salmeterol 11,1 (0,8), placebo 10,9
(0,8), p<0,05). A pontuação total do SGRQ melhorou em 4,2 (0,7), 2,8 (0,7) e 1,5
Spiriva
18
BPI 0251-05 20081008
C09-01
(0,7) unidades durante o estudo de 6 meses para o grupo tiotrópio, salmeterol e
placebo, respectivamente (p<0,01 tiotrópio vs placebo). Em comparação com o
grupo placebo, a pontuação focal do TDI melhorou tanto no grupo tiotrópio (1,1
(0,3) unidades, p<0,001) quanto no grupo salmeterol (0,7 (0,3) unidades,
p<0,05). A avaliação do VEF
1
matutino pré-dose, do VEF
1
máximo e do VEF
1
médio (0–3 horas) demonstrou que o tiotrópio foi superior ao salmeterol ao
passo que ambas as drogas ativas foram mais eficazes que placebo. O estudo
concluiu que as exacerbações de DPOC e a utilização de serviços de saúde
foram afetadas positivamente pelo tratamento diário com tiotrópio. Exceto pelo
número de dias de hospitalização associado a todas as causas, o salmeterol
duas vezes ao dia não resultou em alterações significativas comparado ao
placebo. O tiotrópio também melhorou a qualidade de vida relacionada à saúde,
dispnéia e função pulmonar em pacientes com DPOC.
Em um estudo com 5.993 pacientes conduzido por 4 anos
(5)
, SPIRIVA manteve
melhoras no parâmetro
volume de expiração forçada no primeiro segundo
(VEF
1
) através dos 4 anos no entanto não alterou a taxa de declínio anual do
VEF
1
.
Figura 4. VEF
1
pré-dose matinal (isto é, o VEF1 antes da administração) nos grupos que
receberam tiotrópio e placebo durante 4 anos. P< 0,001 para todos os pontos após
randomização
.
1, 00
1, 05
1, 10
1, 15
1, 20
1, 25
1, 30
1 6 12 1 8 24 3 0 36 4 2 48
Mês
tiotrópio (n = 2498) placebo (n = 2371)
Durante o tratamento, houve uma redução de 16% do risco de morte. A taxa de
incidência de morte foi de 4,78 por 100 pacientes ao ano no grupo de pacientes
que receberam placebo
versus
4,10 por 100 pacientes ao ano no grupo de
pacientes que receberam tiotrópio (risco relativo (tiotrópio/placebo)= 0,84, IC
95%= 0,73; 0,97). O tratamento com tiotrópio diminuiu o risco de insuficiência
Spiriva
19
BPI 0251-05 20081008
C09-01
respiratória em 19% (2,09 versus 1,68 casos por 100 pacientes, risco relativo
(tiotrópio/placebo)= 0,81, IC 95%= 0,65 , 1,00).
1. Casaburi R, Mahler DA, Jones PW, et al. A long-term evaluation of once-daily
inhaled tiotropium in chronic obstructive pulmonary disease. Eur Respir J
2002;19:217-224.
2. Vincken W, Noord JA van, Greefhorst APM, et al. Improved health outcomes in
patients with COPD during 1 yr's treatment with tiotropium. Eur Respir J
2002;19:209-216.
3. Donohue JF, Noord JA van, Bateman ED, Langley SJ, Lee A, Witek TJ, et al. A 6-
month, placebo-controlled study comparing lung function and health status changes
in COPD patients treated with tiotropium or salmeterol. Chest 2002;122(1):47-55.
4. Brusasco V, Hodder R, Miravitlles M, et al. Health outcomes following treatment for
six months with once daily tiotropium compared with twice daily salmeterol in
patients with COPD. Thorax 2003;58:399–404.
5. Tashkin DP, Celli B, Senn S, et al. A 4-Year Trial of Tiotropium in Chronic Obstrutive
Pulmonary Disease. N Engl J Med 2008; 359:1543-54.
INDICAÇÕES
SPIRIVA é indicado para o tratamento de manutenção de pacientes com
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC - incluindo bronquite crônica e
enfisema), da dispnéia associada, e para a prevenção de exacerbações.
CONTRA-INDICAÇÕES
SPIRIVA pó para inalação é contra-indicado a pacientes com história de
hipersensibilidade à atropina ou a seus derivados, p.ex. ipratrópio ou oxitrópio,
ou a qualquer componente que faça parte da sua formulação.
MODO DE USAR E CUIDADOS DE CONSERVAÇÃO DEPOIS DE ABERTO
O HANDIHALER possibilita a inalação do medicamento
contido na cápsula de SPIRIVA.
O HANDIHALER foi desenvolv ido especialmente para
SPIRIVA, não devendo ser usado com nenhum outro
medicamento.
O HANDIHALER pode ser usado por até um ano para
administração de SPIRIVA.
As cápsulas de SPIRIVA devem ser usadas dentro de 9 dias
após a abertura do blíster.
Spiriva
20
BPI 0251-05 20081008
C09-01
Tampa
Bocal
Base
Botão que perfura a cápsula
Compartimento central
1.
Para remover a tampa, pressionar completamente o botão
( ) e soltar.
2.
Abrir completamente a tampa puxando-a para cima. Em
seguida, abrir o bocal puxando-o para cima.
3.
Remover uma cápsula de SPIRIVA do blíster
imediatamente antes do uso. Separar as tiras do blíster,
rasgando-o na parte picotada.
4.
Levantar e puxar a folha de alumínio do blíster até que
uma cápsula fique completamente visível.
Caso uma segunda c ápsula seja exposta ao ar
inadvertidamente, a mesma deverá ser descartada.
5.
Remover a cápsula.
Observação: as cápsulas de SPIRIVA não devem ser
expostas (nem no blíster e nem no HANDIHALER) a
temperaturas superiores a 25 °C, isto é, elas não devem ser
expostas à luz do sol e ao calor. As cápsulas de SPIRIVA
contêm somente uma
pequena quantidade de pó
, e desse
modo, as cápsulas são apenas parcialmente preenchidas.
Spiriva
21
BPI 0251-05 20081008
C09-01
6. Colocar a cápsula no compartimento central ( ) do
HANDIHALER. A posição da cápsula no compartimento não
tem importância.
7. Fechar firmemente o bocal até ouvir um “clic”. Manter a
tampa aberta.
8. Segurar o HANDIHALER com o bocal para cima.
Pressionar completamente o botão ( ), liberando-o em
seguida. Este perfura a cápsula efetuando pequenos orifícios
na mesma os quais permitem a passagem do medicamento
no momento da inspiração.
9. Fazer uma expiração completa.
Importante: Não expirar dentro do bocal em nenhum
momento.
10. Levar o HANDIHALER até a boca e fechar os lábios
firmemente ao redor do bocal. Manter a cabeça na posição
vertical e inspirar lenta e profundamente, mas de maneira
que se possa ouvir a vibração da cápsula. Inspirar até encher
os pulmões; prender a respiração o quanto possível, mas de
forma confortável e ao mesmo tempo retirar o HANDIHALER
da boca. Reassumir a respiração normal.
Repetir os itens 9 e 10, o que irá esvaziar a cápsula
completamente.
11. Abrir o bocal novamente. Descartar a cápsula utilizada.
Fechar o bocal e a tampa e guardar o HANDIHALER.
Spiriva
22
BPI 0251-05 20081008
C09-01
Limpeza do HANDIHALER
Limpar o HANDIHALER uma vez por mês.
Abrir a tampa e o bocal. Abrir também a base levantando o
botão que perfura a cápsula ( ). Enxaguar todo o inalador
com água morna para remover qualquer resíduo de pó.
Secar completamente o HANDIHALER, batendo-o de leve
em um papel toalha para remover o excesso de água e
depois deixá-lo secar ao ar, deixando abertos a tampa, o
bocal e a base. O tempo para que o ar seque completamente
o HANDIHALER é de 24 horas, portanto, proceder à limpeza
imediatamente após o uso para que este esteja pronto na
administração da próxima dose.
Se necessário, pode-se efetuar a limpeza externa com um
pano úmido, evitando-se panos molhados.
POSOLOGIA
Cada cápsula para inalação contém 18 mcg de tiotrópio, correspondentes a 22,5
mcg de brometo de tiotrópio monoidratado e a 21,7 mcg de brometo de tiotrópio.
A dosagem recomendada é a inalação do conteúdo de uma cápsula de SPIRIVA
uma vez ao dia, com o auxílio do HANDIHALER, sempre no mesmo horário.
As cápsulas de SPIRIVA não devem ser deglutidas.
Pacientes idosos podem utilizar SPIRIVA nas doses recomendadas.
Pacientes com função renal comprometida podem utilizar SPIRIVA nas doses
recomendadas. Entretanto, assim como com outros fármacos excretados
predominantemente por via renal, o uso de SPIRIVA deve ser monitorado
cuidadosamente em pacientes com comprometimento moderado a grave da
função renal.
Pacientes com função hepática comprometida podem utilizar SPIRIVA nas
doses recomendadas.
Spiriva
23
BPI 0251-05 20081008
C09-01
A segurança e eficácia de tiotrópio, pó para inalação, não foi estabelecida em
pacientes pediátricos e, portanto, SPIRIVA não deve ser utilizado em crianças.
Conduta em caso de esquecimento de dose
Se o paciente não tomar uma dose, deve tomá-la assim que se lembrar,
entretanto não deve tomar duas doses ao mesmo tempo ou no mesmo dia.
Depois dev e prosseguir com o tratamento, tomando SPIRIVA no próximo dia na
dose e horário habituais.
ADVERTÊNCIAS
SPIRIVA é um broncodilatador de manutenção de dose única diária e não dev e
ser utilizado para o tratamento de resgate em episódios agudos de
broncoespasmo.
Após a administração de SPIRIVA em pó para inalação podem ocorrer reações
de hipersensibilidade imediatas.
Assim como outros fármacos anticolinérgicos, SPIRIVA deve ser utilizado c om
cautela em pacientes com glaucoma de ângulo fechado, hiperplasia prostática
ou obstrução do colo vesical.
Medicamentos inalatórios podem provocar o aparecimento de broncoespasmo
paradoxal.
Assim como outros fármacos excretados predominantemente por via renal, a
administração de SPIRIVA deve ser monitorada cuidadosamente em pacientes
com comprometimento moderado a grave da função renal (depuração de
creatinina
=
50 ml/min).
Os pacientes devem ser instruídos quanto à correta administração das cápsulas
de SPIRIVA. Eles devem ser alertados no sentido de evitar o contato do fármaco
com os olhos. Dor ou desconforto nos olhos, visão embaçada, visão de halos ou
imagens coloridas em associação com olhos avermelhados decorrentes de
congestão conjuntiva e edema de córnea podem ser sinais de glaucoma de
ângulo fechado. Des envolvendo-se qualquer desses sintomas, os pacientes
devem procurar um especialista imediatamente.
Soluções mióticas não são consideradas um tratamento efetivo.
Spiriva
24
BPI 0251-05 20081008
C09-01
SPIRIVA não deve ser utilizado mais do que uma vez ao dia.
As cápsulas de SPIRIVA devem ser usadas somente com o HANDIHALER que
acompanha o produto.
Este produto contem 5,5 mg de lactose monoidratada por cápsula.
Efeitos na habilidade de dirigir e operar máquinas
Não foram realizados estudos relativos a efeitos sobre a habilidade de dirigir e
operar máquinas. A ocorrência de tontura ou visão embaçada pode influenciar
na habilidade de dirigir e operar máquinas.
Gravidez e lactação
Não existem dados clínicos disponíveis do uso de tiotrópio em gestantes. Em
doses terapêuticas, estudos em animais não indicaram efeitos prejudiciais
diretos ou indiretos na gravidez, no desenvolvimento embrionário/fetal, no
trabalho de parto ou no desenvolvimento pós-natal.
Não existem dados clínicos disponíveis de uso de tiotrópio em mulheres
lactantes. Baseado em estudos em roedores lactantes, uma pequena
quantidade de tiotrópio é excretada no leite.
Por essa razão, SPIRIVA não deve ser usado em gestantes ou lactantes a
menos que a relação risco/benefício compense qualquer risco possível para o
feto ou bebê.
O brometo de tiotrópio está classificado na categoria de risco C na gravidez.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem
orientação médica ou do cirurgião-dentista.
USO EM IDOSOS, CRIANÇAS E OUTROS GRUPOS DE RISCO
Desconhecem-se restrições ou precauções especiais para o uso do produto em
pacientes com idade acima de 65 anos, desde que sigam corretamente as
precauções e a orientação médica.
Spiriva
25
BPI 0251-05 20081008
C09-01
A segurança e eficácia de tiotrópio, pó para inalação, não foi estabelecida em
pacientes pediátricos e, portanto, SPIRIVA não deve ser utilizado em crianças.
INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS
Embora não se tenham realizado estudos para avaliar eventuais interações
medicamentosas, o brometo de tiotrópio tem sido utilizado concomitantemente
com outros medicamentos, comumente utilizados no tratamento de DPOC,
incluindo broncodilatadores simpaticomiméticos, metilxantinas, esteróides orais
e inalatórios sem evidência clínica de interações medicamentosas.
Informações limitadas sobre a co-administração de outros fármacos anti-
colinérgicos com SPIRIVA estão disponíveis em dois estudos clínicos : a
administração aguda de uma únic a dose de brometo de ipratrópio com SPIRIVA
administrado cronicamente em pacientes com DPOC (n=64) e voluntários sadios
(n=35) não foi associada a um aumento dos eventos adversos, alterações nos
sinais vitais ou achados eletrocardiográficos. Entretanto, a administração crônic a
de outros fármacos anticolinérgicos com SPIRIVA não foi estudada e, portanto,
não é recomendada.
REAÇÕES ADVERSAS A MEDICAMENTOS
Muitos dos efeitos indesejáveis listados podem ser atribuídos às propriedades
anticolinérgicas de SPIRIVA.
As reações adversas foram identificadas a partir de dados obtidos de estudos
clínicos e de reportes espontâneos durante o uso do medicamento após
introduzido no mercado. A base de dados provinda de estudos clínicos incluem
9.149 pacientes tratados com tiotrópio de 26 estudos clínicos controlados por
placebo com períodos de tratamento variando de 4 semanas a 4 anos, com a
contribuição de 11.958 pessoas-ano de exposição ao tiotrópio.
Reações adversas comuns
(
= 1/100 e < 1/10)
Distúrbios gastrintestinais:
boca seca, em geral leve.
Reações adversas incomuns
(
= 1/1000 e < 1/100)
Distúrbios do sistema nervoso:
vertigem.
Spiriva
26
BPI 0251-05 20081008
C09-01
Distúrbios respiratórios, torácicos e mediastinais:
disfonia, broncoespasmo,
tosse, e faringite.
Distúrbios gastrintestinais:
estomatite.
Reações adversas raras
(
= 1/10000 e <1/1000)
Distúrbios do sistema nervoso:
insônia.
Distúrbios oculares:
visão embaçada, pressão intraocular aumentada.
Distúrbios cardíacos
: taquicardia, palpitações.
Distúrbios respiratórios, torácicos e mediastinais:
epistaxe, laringite, sinusite.
Distúrbios gastrintestinais:
constipação, doença de refluxo gastroesofágico
(Dispepsia), gengivite, glossite, candidíase orofaríngea.
Alterações do tecido subcutâneo e da pele e distúrbios do sistema imune:
erupção cutânea, urticária, prurido, reações de hipersensibilidade (incluindo
reações imediatas).
Distúrbios renais e urinários:
dificuldade de urinar e retenção urinária
(normalmente em homens com fatores predisponentes), infecção do trato
urinário.
Freqüência desconhecida*
Distúrbios do metabolismo e nutrição:
desidratação.
Distúrbios oculares:
glaucoma.
Distúrbios cardíacos
: taquicardia supraventricular, fibrilação atrial.
Distúrbios gastrintestinais:
obstrução intestinal, incluindo íleo paralítico, disfagia.
Alterações do tecido subcutâneo e da pele e distúrbios do sistema imune:
edema angioneurótico, infecção e úlcera de pele, pele s eca.
Distúrbios do tecido muscoesquelético e conectivo
: edema articular.
* freqüência desconhecida, reações adversas a medicamentos não observadas em 5.437
pacientes.
SUPERDOSE
Altas doses de SPIRIVA podem levar a sinais e sintomas anticolinérgicos.
Spiriva
27
BPI 0251-05 20081008
C09-01
Entretanto, não ocorreram reações adversas anticolinérgicas sistêmicas após
inalação de dose única de até 282 mcg de tiotrópio por voluntários sadios.
Observou-se conjuntivite bilateral em associação com boca seca, após repetidas
inalações de doses únicas diárias de 141 mcg de tiotrópio em voluntários sadios,
que foram resolvidas durante o tratamento. A única reação adversa atribuída ao
tiotrópio, em estudos com múltiplas doses em pacientes com DPOC recebendo
uma dose diária máxima de 36 mcg de tiotrópio durante quatro semanas, foi
boca seca.
A ocorrência de intoxicação aguda pela ingestão oral de cápsulas de tiotrópio é
improvável, devido à baixa biodisponibilidade oral.
ARMAZENAGEM
Conserve o produto em temperatura inferior a 25°C, ao abrigo da luz do sol e da
umidade. Evite o congelamento.
DIZERES LEGAIS
MS-1.0367.0137
Farmacêutica responsável: Laura M. S. Ramos – CRF/SP – 6870
N° do lote, data de fabricação e prazo de validade: vide cartucho.
Esta bula é atualizada continuamente. Por favor, proceda à sua leitura antes de
utilizar o medicamento.
Para sua segurança, mantenha esta embalagem até o uso total do
medicamento.
Fabricado e embalado por:
Boehringer Ingelheim PharmaGmbH & Co. KG
Ingelheim am Rhein – Alemanha
Importado por:
Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda.
Rod. Regis Bittencourt (BR116), km 286
Itapecerica da Serra – SP
CNPJ/MF n
°
60.831.658/0021-10
SAC 0800-7016633
Spiriva
28
BPI 0251-05 20081008
C09-01
Venda sob prescrição médica
CCDS 0251-05 20081008
C 09-01