medicine

Selozok

Laboratório: AstraZeneca

Princípio ativo: Succinato de Metoprolol

Forma Farmacêutica

ZOCOR® (sinvastatina), MSD é apresentado na forma de comprimidos revestidos de 10 mg de
sinvastatina em caixas contendo 10 e 30 comprimidos revestidos; de 20 mg de sinvastatina em
caixas contendo 30 comprimidos revestidos; de 40 mg de sinvastatina em caixas contendo 10
comprimidos revestidos e de 80 mg de sinvastatina em caixas contendo 10 comprimidos revestidos.
Uso Oral
Uso Adulto

Composição

Ingredientes ativos
Cada comprimido de ZOCOR® contém 10, 20, 40 ou 80 mg de sinvastatina.
Ingredientes inativos
Hidroxianisol butilado; ácido ascórbico; ácido cítrico; celulose microcristalina; amido; estearato de
magnésio; lactose; hidroxipropilmetilcelulose; hidroxipropilcelulose; dióxido de titânio; talco; óxido
férrico amarelo; óxido férrico vermelho.

Indicações (ao Paciente)

Seu médico lhe receitou ZOCOR® para reduzir os riscos à sua saúde decorrentes das doenças
cardiovasculares.
Se você tem doença coronariana (DAC), diabetes, já teve derrame ou outra doença vascular
(independentemente dos níveis sangüíneos do seu colesterol), ZOCOR®:
• Pode prolongar a sua vida ao reduzir o risco de infarto do miocárdio (ataque cardíaco) ou de
derrame;
• Reduz a necessidade de cirurgia para melhorar o fluxo sangüíneo nas pernas e nos órgãos
essenciais, tal como o coração;
• Reduz a necessidade de hospitalização por dor no peito (conhecida como angina).
ZOCOR® reduz os níveis de colesterol no sangue. O colesterol pode causar doença coronariana
(DAC) ao estreitar os vasos sangüíneos que transportam oxigênio e nutrientes para o coração. Esse
entupimento, ou endurecimento das artérias é denominado aterosclerose. A aterosclerose pode
causar dor no peito (conhecida como angina) e infarto do miocárdio (ataque cardíaco). ZOCOR®
também retarda a progressão da aterosclerose e reduz o desenvolvimento de mais aterosclerose.
Níveis altos de colesterol podem resultar de vários fatores, inclusive de alimentação rica em gorduras
saturadas (gorduras que ficam sólidas quando expostas ao ar, tal como a manteiga), de algumas
doenças ou distúrbios genéticos e da falta de exercícios físicos. A redução dos níveis altos de
colesterol pode ajudar a diminuir o seu risco de ter doença coronariana (DAC).
A DAC pode ser decorrente de muitas causas e o risco de você ter DAC pode aumentar na presença
de um ou mais dos seguintes fatores:
• Níveis altos de colesterol no sangue;
• Hipertensão arterial (pressão alta);
• Tabagismo;
• Diabetes;
• Obesidade;
• Pessoas com DAC na família - principalmente parentes de primeiro grau;
• Sexo masculino e após a menopausa.
Os cinco primeiros fatores de DAC podem ser controlados com a sua ajuda.

O que pode você fazer em benefício da sua saúde e para reduzir o risco de doença
coronariana.
Pare de fumar
O tabagismo aumenta a probabilidade de você sofrer infarto do miocárdio.
Faça exercícios
O exercício pode aumentar seus níveis de colesterol "bom" e diminuir a probabilidade de você ter
doença coronariana. Peça orientação ao seu médico antes de iniciar a prática de exercícios físicos.
Consulte seu médico regularmente
Seu médico irá verificar seus níveis de colesterol.
Tome seu medicamento
Não interrompa seu tratamento para que seus níveis de colesterol se mantenham controlados.
Mantenha a dieta recomendada por seu médico
A dieta não irá apenas ajudá-lo (a) a reduzir os níveis de colesterol, mas também lhe ajudará a
perder peso (se for o caso).
O LDL-colesterol é chamado mau colesterol porque é o colesterol que entope suas artérias. Por
outro lado, acredita-se que o HDL-colesterol remova o colesterol dos vasos sangüíneos, sendo,
portanto, considerado o bom colesterol.
A maioria das pessoas não apresenta sintomas decorrentes do colesterol elevado imediatamente.
Você poderá saber se seus níveis de colesterol estão elevados por meio de um simples exame de
sangue. Consulte seu médico regularmente, dose seu colesterol quando ele solicitar e pergunte para
ele quais são os níveis ideais de colesterol no seu caso.

Reações Adversas

ZOCOR® é geralmente bem tolerado; a maioria das experiências adversas foi de natureza leve e
transitória. Menos de 2% dos pacientes foram descontinuados dos estudos clínicos controlados por
causa de reações adversas atribuíveis a ZOCOR®.
Em estudos clínicos controlados realizados antes da comercialização, os efeitos adversos que
ocorreram a uma freqüência de 1% ou mais, considerados pelo pesquisador como possível, provável
ou definitivamente relacionados à sinvastatina foram: dor abdominal, constipação e flatulência.
Outros efeitos adversos que ocorreram em 0,5% a 0,9% dos pacientes foram astenia e cefaléia.
Miopatia foi raramente relatada.

Informações Técnicas (ao Médico)

CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS
ZOCOR® é um agente redutor do colesterol derivado sinteticamente de um produto de fermentação
do Aspergillus terreus.
Após a ingestão, ZOCOR®, que é uma lactona inativa, é hidrolisado ao β-hidroxiácido
correspondente. Esse é o principal metabólito e é um inibidor da 3-hidróxi-3-metilglutaril-co-enzima A
(HMG-CoA) redutase, uma enzima que catalisa um passo precoce e limitante da taxa de biossíntese
do colesterol. Estudos clínicos mostram que ZOCOR® é altamente eficaz para reduzir as
concentrações plasmáticas do colesterol total, do LDL-colesterol, dos triglicérides e do VLDLcolesterol
e para aumentar o HDL-colesterol nas formas familiar heterozigótica e não familiar de
hipercolesterolemia e na hiperlipidemia mista, quando o colesterol elevado for preocupante e a dieta
apenas for insuficiente. Observam-se respostas acentuadas em duas semanas e respostas
terapêuticas máximas ocorrem em 4 a 6 semanas. A resposta mantém-se com a continuidade da
terapia. Quando a terapia com ZOCOR® é interrompida, os níveis de colesterol e lípides voltam aos
níveis anteriores ao tratamento.
A forma ativa da sinvastatina é um inibidor específico da HMG-CoA redutase, enzima que catalisa a
conversão da HMG-CoA a mevalonato. Em virtude de essa conversão ser um passo inicial da
biossíntese do colesterol, não se espera que a terapia com ZOCOR® provoque acúmulo de esteróis
potencialmente tóxicos. Além disso, a HMG-CoA é também rapidamente metabolizada de volta a
acetil-CoA, a qual participa de muitos processos de biossíntese no organismo.
Em estudos com animais, a sinvastatina demonstrou alta seletividade pelo fígado após administração
oral, onde atingiu concentrações consideravelmente mais altas do que em tecidos não-alvo. A
sinvastatina sofre amplo metabolismo de primeira passagem no fígado, principal local para sua ação,
com subseqüente excreção na bile. A exposição sistêmica à forma ativa da sinvastatina em humanos
é inferior a 5% da dose oral; destes, 95% estão ligados às proteínas plasmáticas.
RESULTADOS DE EFICÁCIA
No Estudo Escandinavo de Sobrevida com Sinvastatina (4S), o efeito do tratamento com ZOCOR®
na mortalidade por todas as causas foi avaliado em 4.444 pacientes com doença coronariana (DAC)
e colesterol total no período basal entre 212-309 mg/dl (5,5-8,0 mmol/L) durante um período mediano
de 5,4 anos. Nesse estudo multicêntrico, randômico, duplo-cego e controlado com placebo, ZOCOR®
reduziu em 30% o risco de morte; em 42% o risco de morte por DAC; e em 37% o risco de infarto do
miocárdio não-fatal comprovado no hospital. Além disso, ZOCOR® reduziu em 37% o risco de
procedimentos para revascularização do miocárdio (bypass da artéria coronariana ou angioplastia
coronariana transluminal percutânea). Em pacientes com diabetes melito, o risco de um evento
coronariano importante foi reduzido em 55%. Além disso, ZOCOR® reduziu significativamente o risco
de eventos vasculares cerebrais fatais e não fatais (AVC e ataques isquêmicos transitórios) em 28%.
No Estudo de Proteção do Coração – Heart Protection Study (HPS) –, os efeitos do tratamento com
ZOCOR® durante um período de acompanhamento de 5,3 anos, em média, foram avaliados em
20.536 pacientes com ou sem hiperlipidemia e alto risco de eventos coronarianos, em decorrência de
diabetes, antecedentes de acidente vascular cerebral (AVC) ou outra doença vascular cerebral,
doença vascular periférica ou doença coronariana. No período basal, 33% apresentavam níveis de
LDL inferiores a 116 mg/dl; 25%, entre 116 mg/dl e 135 mg/dl e 42%, superiores a 135 mg/dl.
Nesse estudo multicêntrico, randômico, duplo-cego e controlado com placebo, ZOCOR® 40 mg/dia
comparado ao placebo reduziu o risco de mortalidade por todas as causas em 13%, em
conseqüência da redução de mortes por doença coronariana (18%). ZOCOR® também diminuiu o
risco de eventos coronarianos relevantes (um desfecho composto de IM não fatal ou mortes de
origem coronariana) em 27%. ZOCOR® reduziu a necessidade de procedimentos de
revascularização coronariana (incluindo bypass ou angioplastia coronariana transluminal percutânea)
e procedimentos de revascularização periférica e outros procedimentos de revascularização não
coronarianos, em 30% e 16%, respectivamente. ZOCOR® reduziu o risco de AVC em 25%. Além
disso, ZOCOR® reduziu o risco de hospitalização por angina em 17%. Os riscos de eventos
coronarianos e vasculares relevantes (um desfecho composto que incluiu os eventos coronarianos
relevantes, AVC ou procedimentos de revascularização) foram reduzidos em cerca de 25% em
pacientes com ou sem doença coronariana, incluindo pacientes com diabetes e pacientes com
doença periférica ou vascular cerebral. Além disso, no subgrupo de pacientes com diabetes,
ZOCOR® reduziu o risco do desenvolvimento de complicações macrovasculares, incluindo
procedimentos de revascularização periférica (cirurgia ou angioplastia), amputação de membros
inferiores ou úlceras nas pernas em 21%. As reduções de risco produzidas por ZOCOR® nos eventos
relevantes, vasculares e coronarianos, foram evidentes e consistentes independentemente da idade
e do sexo do paciente, dos níveis de LDC-C, HDL-C, TG, apolipoproteína A-I ou apolipoproteína B no
período basal, da presença ou ausência de hipertensão, dos níveis de creatinina até o limite para
inclusão de 2,3 mg/dl, da presença ou ausência de medicações cardiovasculares (aspirina,
betabloqueadores, inibidores da enzima conversora de angiotensina [ECA] ou bloqueadores dos
canais de cálcio) no período basal, de tabagismo, de ingestão de álcool ou de obesidade. Ao final de
5 anos, 32% dos pacientes no grupo placebo estavam tomando uma vastatina (fora do protocolo do
estudo); portanto, as reduções de risco observadas subestimam o real efeito da sinvastatina.
Em estudo clínico multicêntrico, controlado com placebo, que utilizou angiografia coronariana
quantitativa e envolveu 404 pacientes, ZOCOR® retardou a progressão da aterosclerose coronariana
e reduziu o desenvolvimento de novas lesões e de novas oclusões totais, ao passo que as lesões
ateroscleróticas coronarianas pioraram de forma constante ao longo de um período de 4 anos em
pacientes que receberam tratamento-padrão.
As análises de subgrupo de dois estudos que incluíram 147 pacientes com hipertrigliceridemia
(hiperlipidemia tipo IV de Fredrickson) demonstraram que 20 a 80 mg/dia de ZOCOR® reduziu os
níveis de triglicérides em 21% a 39% (placebo: 11% a 13%), de LDL-colesterol em 23% a 35%
(placebo: +1% a +3%) e do colesterol não HDL, em 26% a 43% (placebo: +1% a +3%) e aumentou o
HDL-C em 9% a 14% (placebo: 3%).
Em outra análise de subgrupo de sete pacientes com disbetalipoproteinemia (hiperlipidemia tipo III
de Fredrickson), a dose de 80 mg/dia de ZOCOR® reduziu os níveis de LDL-C, inclusive das
lipoproteínas de densidade intermediária (IDL) em 51% (placebo: 8%) e de VLDL-colesterol + IDL em
60% (placebo: 4%).

Contra-Indicações

Contra-indicações
Você não deve tomar ZOCOR® se:
• For alérgico (a) a quaisquer um de seus componentes (veja O que é ZOCOR®?);
• Tiver doença do fígado em atividade;
• Estiver grávida ou amamentando.

Posologia

A dose inicial de ZOCOR®, geralmente é de 20 ou 40 mg por dia, administrada em dose única à
noite. Seu médico poderá ajustar sua dose até, no máximo, 80 mg por dia, administrada em dose
única à noite. Ele também poderá prescrever doses mais baixas, principalmente se você estiver
tomando ciclosporina ou tiver certos tipos de doença renal. Continue tomando ZOCOR® até que o
seu médico lhe diga para parar. Se você parar de tomar ZOCOR®, seus níveis de colesterol podem
aumentar novamente.
Como Usar
A maioria das pessoas toma ZOCOR® com água.

Uso em idosos, crianças e outros grupos de risco

Uso Pediátrico
ZOCOR® não é recomendado para uso pediátrico.
Uso em Idosos
Em pacientes com idade superior a 65 anos que receberam sinvastatina em estudos clínicos
apresentaram redução do colesterol total e do LDL-total, similar ao do resto da população, sem
apresentar aumento de efeitos adversos, clínicos ou laboratoriais.

Interações Medicamentosas

Você também deve informar a qualquer médico que lhe prescrever um novo medicamento que você
está tomando ZOCOR®.
É muito importante informar ao seu médico se você for tomar ZOCOR® associado a qualquer um dos
medicamentos listados abaixo, pois o risco de problemas musculares nessa situação é maior (veja
também “Quais efeitos adversos ZOCOR® pode causar?”):
• Ciclosporina;
• Antifúngicos (como o itraconazol ou o cetoconazol);
• Derivados do ácido fíbrico (como a genfibrozila e o benzafibrato);
• Os antibióticos eritromicina e claritromicina;
• Inibidores da protease do HIV (tais como indinavir, nelfinavir, ritonavir e saquinavir);
• antidepressivo nefazodona;
• Amiodarona (um medicamento utilizado para o tratamento de arritmias cardíacas);
• Verapamil ou diltiazem (medicamentos utilizados no tratamento de hipertensão arterial,
angina, ou outras doenças cardíacas);
• Altas doses (≥1 g/dia) de niacina ou ácido nicotínico.
Também é importante informar ao seu médico se estiver tomando anticoagulantes (medicamentos
que evitam a formação de coágulos sangüíneos) tais como varfarina, e femprocumona, ou
fenofibrato, outro derivado do ácido fíbrico.
Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro
medicamento.
Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua
saúde.
Não há contra-indicações relativa a faixas etárias, exceto para crianças (Veja Uso pediátrico).
Informe ao médico ou cirurgião-dentista sobre o aparecimento de reações indesejáveis.
 

Superdosagem

Foram relatados poucos casos de superdose; a dose máxima ingerida foi de 3,6 g. Todos os
pacientes recuperaram-se sem seqüelas. Devem ser adotadas medidas gerais.