Forma Farmacêutica

Comprimido revestido. Caixa com 21, 63 e 1050 comprimidos revestidos.

Composição

Comprimido Revestido
Cada comprimido revestido contém:
levonorgestrel ............................................ 0,100 mg
etinilestradiol .............................................. 0,020 mg
Excipientes: lactose, celulose microcristalina, amido, laurilsulfato de sódio,
talco, hipromelose, macrogol e dióxido de titânio.

Indicações (ao Paciente)

Level® é um contraceptivo oral, também conhecido como “pílula
anticoncepcional”. Age basicamente através da inibição da ovulação, sendo,
por isso, altamente eficaz na prevenção da gravidez indesejada, controle das
irregularidades menstruais e no tratamento da síndrome da tensão prémenstrual.
Desde que tomado corretamente, a ação de Level® permanece
durante todo o tempo de sua utilização. Os contraceptivos orais são altamente
eficazes quando utilizados conforme determina a posologia ou a prescrição
médica: uso diário do medicamento, preferencialmente no mesmo horário e
sem esquecimentos. Mesmo assim, há raros relatos de gravidez em mulheres
utilizando contraceptivos orais.

Reações Adversas

foram associadas ao tratamento com estrógeno
e/ou progestágeno as seguintes reações: náuseas, vômitos, sangramento
intermenstrual, dismenorréia, tensão mamária, cefaléia, enxaqueca,
nervosismo, depressão, alterações da libido, edemas e moléstias
varicosas.

Muito raramente foram relatados: cloasma, gastrite, alopécia, secreção
vaginal, aumento do apetite, erupção cutânea, sintomas androgênicos,
amenorréia, galactorréia, mastopatia, insônia, cansaço, intolerância a
lente de contato, alterações de secreção cervical, coréia, hirsutismo e
porfíria foram relatadas, porém carecem de confirmação.
Hemorragias intermenstruais podem ocorrer com maior probabilidade
durante os primeiros ciclos de uso.
Em todos os casos de sangramento genital irregular, causas não
funcionais devem ser descartadas.
 

Informações Técnicas (ao Médico)

Características: Level® é um medicamento contraceptivo oral resultante
da combinação de levonorgestrel, um progestágeno totalmente sintético com o
etinilestradiol, um estrógeno. Age através da supressão das gonadotrofinas.
Embora o mecanismo primário desta ação seja a inibição da ovulação, outras
alterações incluem as modificações no muco cervical (aumentando a
dificuldade de penetração dos espermatozóides no útero) e também no
endométrio (reduzindo a probabilidade de implantação).
O levonorgestrel é rápida e completamente absorvido após administração oral
(praticamente 100% biodisponível) e não sofre metabolização de primeira
passagem. O etinilestradiol também é rápida e quase totalmente absorvido pelo
trato gastrointestinal, mas devido à metabolização de primeira passagem na
mucosa intestinal e fígado, a biodisponibilidade do etinilestradiol está entre 38 e
48%. Após dose única, a concentração sangüínea máxima de levonorgestrel é
alcançada entre 1 a 2,5 horas e o “steady-state” é atingido após 19 dias de uso
contínuo. As concentrações de levonorgestrel aumentam a partir do 1º dia
(dose única) até o 6º e o 21º dias (múltiplas doses), de 34% e 96%
respectivamente. A cinética do levonorgestrel total não é linear devido a um
aumento da ligação dele às globulinas fixadoras dos hormônios sexuais
(SHBG) e menos à albumina.
Após dose única, a concentração máxima de etinilestradiol no soro é alcançada
entre 1 a 2 horas, e o “steady-state” após 6 dias de uso ininterrupto. As
concentrações do etinilestradiol não aumentam entre o 1º dia e o 6º dia, mas
crescem 19% entre o 1º e o 21º dias. O etinilestradiol se liga fortemente à
albumina, induzindo um aumento na concentração de SHBG. No
levonorgestrel, a mais importante metabolização ocorre por redução do grupo
delta-4-3-oxo e hidroxilação nas posições 2-alfa, 1- beta e 16-beta, seguida de
conjugação. A maioria dos metabólitos circulantes no sangue são sulfatos de 3-
alfa, 5-beta-tetrahidro-levonorgestrel, enquanto que a excreção ocorre
predominantemente na forma de glicuronídeos. Alguns derivados de
levonorgestrel circulam sob a forma de 17-beta sulfatos. No etinilestradiol, as
enzimas citocromo P450 (CYP3A4) localizadas no fígado, são responsáveis
pela 2-hidroxilação que é a principal reação oxidativa. Os metabólitos 2-hidroxi
são complementarmente transformados por metilação e glicuronidação antes
de serem excretados por via urinária e fecal. O etinilestradiol é excretado na
urina e nas fezes nas formas conjugadas de glicuronídeo e sulfato, estando
sujeito a recirculação êntero-hepática. A meia-vida de eliminação plasmática do
levonorgestrel com etinilestradiol é de 8 a 13 horas. O levonorgestrel e seus
metabólitos inativos são excretados na urina. O etinilestradiol é excretado na
urina (22 a 58%), nas fezes (30 a 53%) e sais biliares (26 a 43%).

Contra-Indicações

Level® não deve ser usado por pacientes com
hipersensibilidade aos componentes da fórmula, nos casos de gravidez
comprovada ou suspeita; tromboflebites ou doenças tromboembólicas; história
anterior de tromboflebite venosa profunda ou alterações trombo-embólicas;
doenças cerebrovasculares ou das artérias coronarianas; tumor no fígado;
tumor no endométrio, tumor nas mamas ou outra neoplasia estrógenodependente
suspeita ou confirmada; sangramento genital de causa
desconhecida; icterícia (amarelamento da pele).
Precauções: antes de iniciar o tratamento com Level®, a paciente deve
submeter-se a um exame geral, um minucioso exame ginecológico (inclusive
Papanicolaou) e das mamas, além de ser excluída qualquer possibilidade de
estar grávida.
- Durante o tratamento prolongado com Level® é importante submeter-se a
cada 6 meses a exames de controle.
- A paciente deve interromper imediatamente o uso de Level® e comunicar
ao médico caso apareça algum dos seguintes sintomas: dor de cabeça tipo
enxaqueca que a paciente nunca havia tido anteriormente; dores de cabeça
freqüentes e fortes; perturbações da visão, audição ou de outros sentidos;
inflamação ou dores nos braços ou pernas que não costumavam acontecer;
sensação de dor e aperto no peito; dificuldade de respiração; amarelamento
da pele; coceira no corpo; aumento dos ataques epiléticos; aumento na
pressão sangüínea; depressão grave; dores ou inchaço na barriga e
gravidez.
- O tratamento deve ser suspenso nos casos de cirurgia programada (com 6
semanas de antecedência) ou imobilização forçada.
- Laxantes suaves não diminuem a segurança contraceptiva de Level®. No
entanto, se ocorrerem fortes vômitos e diarréias, não se pode ter certeza de
que os componentes ativos foram absorvidos e exerceram sua ação, sendo
assim duvidosa a segurança contraceptiva durante o ciclo em curso. Nestes
casos, recomenda-se outros métodos contraceptivos adicionais como os de
barreira (diafragma juntamente com espermicida ou, então, camisinha), sem
deixar de continuar tomando Level®. Não use o método da tabelinha

(Ogino Knaus) ou da temperatura basal, uma vez que os contraceptivos
orais aumentam as possibilidades de falhas destes métodos.
- Após tratamento prolongado com contraceptivos orais, pode aparecer, em
pacientes predispostas, manchas no rosto que ficam mais visíveis ao tomar
sol. Por isso, recomenda-se a mulheres predispostas que não fiquem muito
tempo expostas ao sol.
- O médico deve exercer cuidadosa supervisão nos casos em que a paciente
apresente diabetes, varizes, pressão alta, epilepsia e antecedentes de
flebite. (Veja item Precauções nas Informações Técnicas).
• Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes
do início, ou durante o tratamento com Level®.
• Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser
perigoso para a saúde.

Posologia

• Posologia: Para se alcançar o máximo efeito contraceptivo, Level® deve
ser utilizado exatamente como está descrito, e em intervalos que não excedam
24 horas. Recomenda-se que Level® seja sempre tomado à mesma hora,
todos os dias, como por exemplo após o jantar ou antes de deitar. Isto para
criar-se o hábito de tomar Level®, e assim evitar esquecimento e garantir a
eficácia anticoncepcional.
- Primeiro ciclo: o uso de Level® deve iniciar-se no 1º dia do ciclo menstrual,
isto é, no 1º dia da menstruação (primeiro dia de sangramento). Assim,
diariamente, durante 21 dias consecutivos, deve-se tomar 1 comprimido de
Level®.
Após o término dos 21 comprimidos de Level®, faz-se um intervalo de 7 dias
sem uso da medicação, quando então deverá ocorrer o fluxo menstrual.
Durante o primeiro ciclo, a segurança contraceptiva só é alcançada com
Level® após o uso dos comprimidos por 7 dias consecutivos. As possibilidades
de ovulação e concepção devem ser consideradas antes de iniciar o
tratamento.
Ciclos seguintes: a administração de Level® deverá reiniciar com um novo
blíster após passada esta pausa de 7 dias, ou seja, no 8º dia após ter usado o
último comprimido de Level®, mesmo que a menstruação (perda de sangue)
esteja em curso, e assim, sucessivamente durante todo o período que se
deseja a contracepção.
Se a paciente reiniciar algum ciclo após o dia correto ou no período pós-parto,
ela deverá recorrer adicionalmente a um outro método contraceptivo de
barreira (diafragma, camisinha), até que tenha utilizado Level® durante 14 dias
seguidos.
Mudança de outro contraceptivo oral para Level®: a paciente deve ser
orientada para iniciar o tratamento com Level® no mesmo dia em que iniciaria
o próximo ciclo do outro contraceptivo oral que vinha utilizando. Assim, se a
paciente vier de um regime de 21 dias de comprimidos, ela deverá aguardar 7
dias após o último comprimido do contraceptivo anterior, e então, no 8º dia
iniciar com Level®. Nesta semana de interrupção, ela experimentará perda
menstrual. A paciente deve estar segura de que o intervalo não passará de 7
dias.
Neste primeiro ciclo de tratamento com Level®, deve-se utilizar adicionalmente
um método mecânico (de barreira: camisinha, diafragma) de contracepção até
que tenha utilizado Level® durante 14 dias seguidos.
Caso ocorra sangramento intermenstrual transitório, a paciente deve continuar
a medicação, uma vez que tal sangramento geralmente não tem importância
médica. Se a hemorragia for repetida, persistente ou prolongada, o médico
deve ser informado.
Casos de esquecimento: Quando a paciente esquecer de ingerir 1
comprimido de Level®, deverá tomá-lo assim que se lembre, administrando o
seguinte no mesmo horário que vinha habitualmente fazendo. Desta forma a
paciente deverá tomar 2 comprimidos de Level® em um único dia.
- No caso da paciente esquecer de tomar 2 comprimidos seguidos de Level®
dentro da primeira ou segunda semanas, deverá ingerir 2 comprimidos de
Level® assim que se lembre, e mais 2 comprimidos no dia seguinte no mesmo
horário que habitualmente vinha procedendo. Daí em diante, deverá tomar 1
comprimido de Level® por dia como estava utilizando, até terminar o blíster.
Neste caso deve-se recorrer a um método adicional mecânico (de barreira:
camisinha, diafragma, espermicida) de contracepção, até que tenha
administrado Level® durante 7 dias seguidos.
- Caso a paciente esqueça de administrar 3 comprimidos seguidos de Level®
ou de 2 comprimidos seguidos de Level® na terceira semana, deve-se
interromper o tratamento e descartar os comprimidos restantes. Novo
tratamento deverá ser reiniciado no 8º dia após ter administrado o último
comprimido. Deve-se utilizar método mecânico (de barreira) de contracepção
até que se tenha administrado 14 comprimidos seguidos de Level®.
No caso de não ocorrer hemorragia por supressão (após os 21 dias seguidos)
e os comprimidos terem sido administrados corretamente, é pouco provável
que tenha havido concepção, mesmo assim Level® não deverá ser reiniciado
até que se excluam por métodos diagnósticos as possibilidades de gravidez.
Caso a paciente não tenha utilizado corretamente Level® (esquecimento,
início de tratamento após o dia recomendado), a possibilidade de gravidez
deve ser considerada antes de reiniciar o tratamento.

Uso em idosos, crianças e outros grupos de risco

Adolescente - Não há relatos de problemas específicos relacionados à idade,
porém existe um alerta: o uso de contraceptivos orais não livra o indivíduo do
risco de ocorrerem doenças sexualmente transmissíveis.
Pediatria - A segurança e a eficácia do uso de contraceptivos em crianças
ainda não foram estabelecidas.
Geriatria (idosos) - A segurança e a eficácia do uso de Level® foram
estabelecidas em mulheres em idade reprodutiva. Não existem informações
específicas do uso de Level® por pacientes idosas.
Insuficiência renal - A retenção renal dos fluidos pode ser causada por alguns
progestágenos, especialmente quando administrado em altas doses,
agravando a insuficiência renal.
Insuficiência hepática - O metabolismo do progestágeno, especialmente
progestágeno androgênico, pode prejudicar ou contribuir com a disfunção
hepática.

Interações Medicamentosas

uso de barbitúricos, carbamazepina,
hidantoína, fenilbutazona, sulfonamidas, clorpromazina, penicilinas, rifampicina,
neomicina, nitrofurantoína, ampicilina, tetraciclina, cloranfenicol, fenacetina e
pirazolona juntamente com contraceptivos orais pode provocar menor eficácia
contraceptiva deste último, assim como a maior incidência de hemorragia
intermenstrual e amenorréia.
- Os contraceptivos orais podem interferir no metabolismo oxidativo do
diazepam e clordiazepóxido, provocando acúmulo dos mesmos no plasma.
Pacientes em tratamento prolongado com benzodiazepínicos devem ser
observadas com relação a intensificação dos efeitos sedantes.
- Como resultado da menor tolerância à glicose, as doses de agentes
antidiabéticos e insulina podem alterar-se.
- Os contraceptivos orais podem antagonizar os efeitos terapêuticos dos antihipertensivos,
anticonvulsivantes, anticoagulantes orais e hipoglicemiantes.
As pacientes devem ser cuidadosamente monitoradas quanto à diminuição
das respostas a estas drogas.
- Os contraceptivos orais podem estimular os efeitos farmacológicos ou
diminuir o clearance da teofilina, cafeína, fenotiazinas, corticosteróides,
antagonistas beta-adrenérgicos, antidepressivos tricíclicos e ciclosporina.

Superdosagem

A toxicidade do levonorgestrel e etinilestradiol é baixa, não devendo ocorrer
efeitos graves após ingestão de grandes doses de contraceptivos. Os sintomas
neste caso incluem náuseas, vômitos e sangramento por supressão.
Procedimentos como lavagem gástrica e tratamento geral de suporte devem
ser utilizados para controlar a sintomatologia. Testes de função hepática
(determinação dos níveis de transaminases) podem ser executados até 3
semanas após a ingestão.